Olhos

Eu te olho e vejo os teus olhos
                  que defloram a minh'alma
Me sinto desnudo, desamparado
                  meus virgens segredos desvairados
                                                   descobertos
                                                   desenterrados

A virgindade do meu ser
                  revelada
Não tenho mais onde me esconder
Não tenho mais onde viver
                  a não ser onde posso respirar — junto de você!

Seus olhos me desnortearam
Sua boca, convite ao prazer
Sua alma ... de tão linda, palavras não conseguem descrever

Só que seus olhos não saem dos meus
Fecho os olhos, e lá eles ainda estão
Onde quer que olhe, seus olhos é só o que vejo
Me vendo, me lendo, me desnudando

Estou desnudo, à sua mercê!